28/06/2018 - 14:57 | Da Assessoria de Imprensa da CBAt

A Grande história e o atuante presente da Federação de Atletismo do Rio

Fonte: CBAt

Robson Caetano (Arquivo/CBAt)
São Paulo - Uma das mais importantes entidades-dirigentes do esporte nacional faz aniversário neste dia 28 de junho de 2018. Há exatos 80 anos, um grupo de esportistas criou a FARJ - Federação de Atletismo do Rio de Janeiro. Então capital da República, a "Cidade Maravilhosa" era um dos polos mais importantes da vida esportiva do País, especialmente do Atletismo.

Além de revelar grandes nomes do esporte-base, o Rio foi também, em várias ocasiões, um centro de atração de talentos, ou seja, de atletas que foram à cidade para dar sequência à carreira.

Foi a caso de nomes como José Bento de Assis Junior, que iniciou sua bela carreira esportiva no Rio. Considerado um dos principais velocistas e saltadores das décadas de 1930 e 1940, José Bento foi prejudicado pela eclosão da 2ª Guerra Mundial (1939/1945), que impediu a realização dos Jogos Olímpicos previstos para Tóquio (1940) e Londres (1944).

Por sinal, a primeira medalha ganha pelo Atletismo brasileiro foi proeza de um atleta do Rio: em 20 de julho de 1952, em Helsinque, na Finlândia, José Telles da Conceição conquistou o bronze no salto em altura. Telles ainda seria o sexto colocado nos 200 m em Melbourne, na Austrália, nos Jogos de 1956.

Em 1964 foi a vez de Aída dos Santos escrever talvez a mais emocionante página da história do Atletismo do Brasil. Único nome do Atletismo nos Jogos de Tóquio, Aída trouxe para o País um honroso quarto lugar no salto em altura.

Nos tempos mais modernos, Robson Caetano da Silva é o nome de ponta do Estado do Rio. Na Olimpíada de Seul, na Coreia do Sul, em 1988, o velocista ganhou bronze nos 200 m. Oito anos depois foi novamente bronze, agora no 4x100 m. Desta vez, a seu lado estava outro astro carioca: Arnaldo de Oliveira Silva.

Recordista nacional dos 100 m e primeira atleta do Brasil a fazer os 100 m em menos de 11 segundos, Rosangela Cristina Oliveira Santos, ainda com 18 anos incompletos, ganhou bronze no 4x100 m na Olimpíada de Pequim, na China, em 2008. Em 2017, no Campeonato Mundial de Londres, Rosangela foi finalista nos 100 m.

"Continuamos nosso trabalho para honrar a história do Atletismo carioca", diz a atual presidente da FARJ, Luz Marina de Souza. "Vivemos um tempo difícil, mas com muito trabalho vamos fazer com que o nosso esporte continue a evoluir", afirma a dirigente.

Para o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Warlindo Carneiro da Silva Filho, "é um orgulho para o nosso Atletismo testemunhar as ações feitas pela FARJ para o engrandecimento do esporte. O Rio tem uma grande história e um grande presente."