ANIVERSÁRIO

O dia é de Jadel Gregório

Jadel Gregório (Foto: Wagner Carmo/CBAt)

O ex-atleta do salto triplo comemora 40 anos nesta quarta-feira (16/9) e recebe os parabéns da CBAt. Ele tem três medalhas de prata em Mundiais e é recordista sul-americano ao ar livre com 17,90 m e em pista coberta, com 17,56 m

Bragança Paulista – Parabéns Jadel Gregório. O paranaense Jadel Abdul Ghani Gregório, dono de títulos e marcas históricas na prova do salto triplo, comemora 40 anos nesta quarta-feira (16/9) e recebe os parabéns da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Ele deu sequência ao grande legado da prova, iniciada pelo bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva, nos anos 1950. Este é o sexto perfil de medalhista (em Mundiais indoor e ao ar livre e Olimpíadas) que a CBAt divulga na data do aniversário do homenageado.  Uma forma de relembrar a trajetória desses personagens e seus resultados.



Nascido em Jandaia do Sul (PR), em 1980, e criado em Marília (SP), Jadel tem três medalhas de prata, muitos especiais. Foi vice-campeão no Mundial de Osaka, no Japão, em 2007, com 17,59 m, e nos Mundiais em Pista Coberta de Budapeste, na Hungria, em 2004, com 17,43 m, e de Moscou, na Rússia, em 2006, com 17,56 m.



Radicado nos Estados Unidos, ele ainda é o recordista sul-americano ao ar livre, com 17,90 m (0.4), desde o dia 20 de maio de 2007, resultado obtido no GP Brasil de Belém, no Pará. Na oportunidade, quebrou o recorde de João Carlos de Oliveira, de 17,89 m, obtido nos Jogos Pan-Americanos do México em 1975. É recordista também em provas em pista coberta, com 17,56 m, resultado alcançado no dia 12 de março de 2006, em Moscou.



Jadel Gregório descobriu o atletismo, em Marília, com orientação do técnico Osmar Araújo. O porte físico - 2,02 m e 100 kg – poderia ter o levado ao basquete, modalidade que gostava de praticar, mas respeitou a vocação para o atletismo, especialmente para o triplo, e deu continuidade à linhagem de Adhemar Ferreira da Silva, ouro nos Jogos de Helsinque-1952 e Melbourne-1956, Nelson Prudêncio, prata na Cidade do México-1968 e bronze em Munique-1972, e João Carlos de Oliveira, bronze em Montreal-1976 e Moscou-1980.



Atleta olímpico em Atenas-2004 e Pequim-2008, Jadel mudou-se para a capital paulista em 1997 – especificamente para o então Projeto Futuro da Secretaria Estadual de Esportes, no Ibirapuera. A definição pelo salto triplo veio aos 17 anos, quando treinava com Nélio Moura. Já aos 20 anos mostrou todo o seu potencial. Numa competição na cidade de São Paulo, em 2001, saltou 17,13 m e se tornou o quarto brasileiro a superar a barreira dos 17,00 m. À sua frente estavam João Carlos de Oliveira (17,89 m), Anísio Souza Silva (17,32 m) e Nelson Prudêncio (17,27 m).



Em uma excursão à Europa em 2002 saltou 17,35 m e venceu o Meeting Indoor de Samara, na Rússia, em 3 de fevereiro. Pouco antes, em 27 de janeiro, com 16,83 m, em Dortmund, já havia superado o recorde sul-americano indoor em 10 cm. O recorde pertencia a João do Pulo e fora estabelecido em Long Beach, nos Estados Unidos, em 5 de janeiro de 1980, antes, portanto, do nascimento de Jadel.



Bons resultados foram obtidos em 2003. Em março, foi o 6º colocado no Mundial Indoor de Birmingham (16,86 m). No Pan-Americano de Santo Domingo ganhou a prata (17,03 m) e, na sequência, foi o 5º no Mundial de Paris (17,11 m).



Em 2004, Jadel melhorou o recorde em pista coberta ao vencer o Meeting de Karlshure, com 17,46 m, em 15 de fevereiro. A primeira grande conquista viria em 7 de março, em Budapeste, no Mundial Indoor, quando levou a prata, com 17,43 m. No Troféu Brasil Caixa em São Paulo, em 6 de junho, saltou 17,72 m.



Nos Jogos de Atenas, disputou a final olímpica, terminando em 5º lugar (17,31 m). Depois de Atenas, Jadel decidiu mudar. Após sete anos em São Paulo, optou por treinar em Presidente Prudente, com Aristides Junqueira.



Em agosto de 2005, terminou em 6º lugar no Mundial de Helsinque, com 17,20 m. Na ocasião, já não treinava mais com Aristides. Aquela havia sido uma temporada diferente para Jadel. Em março, havia se casado com a fisioterapeuta Samara Ghani e se convertido ao islamismo.



Aos 25 anos, Jadel foi morar na Inglaterra, para ser orientado por Peter Stanley, ex-treinador de Jonathan Edwards, recordista mundial do triplo desde 1995 com 18,29 m. Um pouco depois, Jadel também treinou com o brasileiro Pedro de Toledo, que foi o treinador de João do Pulo.



Em março de 2006, no Mundial Indoor de Moscou, ganhou a segunda medalha de prata, com 17,56 m, recorde sul-americano em pista coberta.



Os melhores resultados foram obtidos na temporada de 2007. Em 20 de maio, em Belém, venceu o GP Brasil Caixa com 17,90 m. Por um centímetro, superou o recorde sul-americano de João Carlos de Oliveira, que persistia havia quase 32 anos.



Em julho, Jadel conquistou o ouro nos Jogos Pan-Americanos do Rio (17,27 m). Ele chegou ao Mundial de Osaka, em agosto, como um dos favoritos à medalha e garantiu a prata (17,59 m).



Na sua segunda participação olímpica, em Pequim, Jadel não conseguiu alcançar o pódio. Não repetiu suas melhores marcas, mas com 17,20 m conseguiu a 6ª posição. Após os Jogos, Jadel voltou ao Brasil. Em 2009 disputou o Mundial de Berlim e ficou em 8º lugar. Depois, passou a treinar com Antônio Carlos Gomes.



Após algumas contusões – teve de operar os dois joelhos -, Jadel encerrou a sua vitoriosa carreira na disputa do Troféu Brasil Caixa, em julho de 2016, em São Bernardo do Campo (SP). Ao todo, alcançou seis marcas acima dos 17,50 m, caso único na América do Sul. Os 17,90 m é a 10ª melhor marca da história no salto triplo, segundo ranking da World Athletics (ex-IAAF).



Jadel vive hoje em San Diego, na Califórnia, onde trabalha como treinador de jovens e consultor de atletas. Escreveu o livro “Para de Arrumar Desculpas”, em que conta detalhes de sua carreira.



A Caixa é a Patrocinadora Oficial do Atletismo Brasileiro.