EM BRAGANÇA

Barreiras são destaque no Brasileiro Caixa Sub-18

Lucas comemora ouro nos 110 m com barreiras (Foto: Wagner Carmo/CBAt)

Lucas Maia e Daniele Campigotto ficaram com o ouro nas provas individuais e Ana Luísa Couto bateu um recorde inusitado nos 100 m com barreiras dentro do heptatlo

Bragança Paulista - As finais das barreiras foram destaque da terceira etapa do Campeonato Brasileiro Caixa Sub-18 de Atletismo, neste sábado (21/11), no Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), da CBAt, em Bragança Paulista (SP). Nos 110 m a vitória ficou com Lucas Maia (ITV-RJ) e nos 100 m com Daniele Campigotto (CAC-SC). Já Ana Luísa Couto Ferraz (Orcampi-SP) protagonizou um recorde inusitado do campeonato nos 100 m com barreiras, numa prova singular, mas dentro da disputa do heptatlo (13.74, com 1.2 de vento).



Nos 110 m o ouro ficou com Lucas Henrique de Souza Maia, com 14.06 (0.4). Completaram o pódio Gustavo Pedra Cadan (Geração Atletismo Cianorte-PR), com 14.31, e José Eduardo Mendes de Silva (Instituto Edson Luciano Ribeiro-SP), com 14.33. 



Lucas treina no grupo de Aldemir Gomes Júnior, dos 200 m, com a treinadora Vânia Valentino da Silva, na ESEFEX, na Urca, Rio de Janeiro. "Minha felicidade é muito grande, ter a medalha de ouro no grupo. O Lucas é muito talentoso e o Aldemir ajuda muito", disse Vania.



"Meu pai (Adriano), minha mãe (Patrícia), tia (Samanta) e treinadora (Vânia) foram barreiristas. Minha genética favoreceu e amo essa prova. A Vania é uma excelente treinadora e o Aldemir o meu segundo técnico, sempre me dando dicas", disse referindo-se ao atleta olímpico Aldemir Gomes Junior, pentacampeão dos 200 m do Troféu Brasil Caixa. "É muito bom treinar com a equipe em dois períodos, é como uma família", disse Lucas, que tem 1,92 m e 17 anos, fez a sua melhor marca pessoal na prova e vai brigar pelo índice para ir ao Mundial Sub-20 de Nairóbi, no Quênia, em 2021.



Nos 100 m com barreiras a vitória ficou com Daniele Campigotto (CAC-SC), com 14.10 (0.4), a prata com Larissa Brito Candido (Sesi-SP, 14.43) e o bronze com Jonane Linhares da Costa Azevedo (ASA-Sorriso-MT, 14.60).



Nos 400 m Marina Severina Pereira de Siqueira (CASO-DF) venceu com 57.13, seguida por Taimara Pereira de Melo (Instituto Edson Luciano Ribeiro-SP), com 57.81, e por Camille de Oliveira (Barra Bonita-SP), com 58.26. Marina conquistou no início de novembro a medalha de ouro no Brasileiro Caixa Sub-20, também em Bragança Paulista.



Marina ficou emocionada e levou ao pódio uma camiseta com uma foto dela e o pai numa carroça. "Cheguei ao atletismo por uma professora, em Brasília, e meu pai era meu incentivador. Ele é carroceiro e eu andava junto com ele - sempre me dizia que eu tenho talento e que acredita muito em mim. O meu desejo é virar uma atleta olímpica e dar orgulho para os meus pais", disse Marina, que fez sua melhor marca este ano. "Ela é talento puro e vai longe", disse Gianetti Sena Bonfim, treinadora do CASO, que trouxe 10 marchadores para o Brasileiro Sub-18, mas também competidores em várias outras provas. 



Nos 400 m o ouro ficou com João Henrrique Ribeiro Santos (ASPMP-SP), bicampeão do torneio, com 48.20, com Luís Ricardo Salazar Júnior (IEB-Codó-MA) em segundo, com 48.97, e Gabriel Alves dos Santos (ASEMPAR/Paranavaí-PR), com 49.36.



"Estou feliz com o resultado, eu e meu treinador estamos fazendo um bom trabalho. Me senti muito bem na prova, consegui me concentrar", disse João Henrrique que começou no atletismo na escola e treina com Luiz Custavo Consolino em Pindamonhangaba. Joaõ dedicou a medalha ao avô João, já falecido. "Ele é bem talentoso, surgiu nos Jogos Escolares", afirmou o treinador. João treina há apenas dois anos e disse que "se encaixou muito bem nos 400 metros".



Recorde - Ana Luísa Couto Soares Ferraz estabeleceu novo recorde do campeonato dos 100 m com barreiras de forma inusitada. Ela ainda disputou a qualificação do salto em distância - deu um único salto (5,34 m) para se classificar - e foi para a disputa dos 100 m com barreiras no heptatlo e, na sequência, para a disputa do salto em altura, também prova do heptatlo. O recorde do campeonato era de Paolla Luchin, com 13.84, desde 23/5/2014.



"Ela veio da UFMG de Belo Horizonte para Campinas este ano. Com a pandemia retornou para casa e voltou novamente em agosto. Estou com ela há oito meses e há muito trabalho a fazer ainda. Ela vai melhorar muito", disse o treinador Dino Cintra de Ana Luísa, acrescentando que o objetivo é o índice no salto em distância, nos 100 m com barreiras ou no heptatlo para o Mundial de Nairóbi. 



O Brasileiro Sub-18 conta com a participação de 600 atletas de 110 clubes, representando 23 Estados e o Distrito Federal e é o segundo evento da temporada nacional de 2020, após o adiamento das competições por causa da pandemia da COVID-19.



O evento, que não conta com a presença de público, segue protocolos rígidos de saúde como o uso obrigatório de máscaras, a disponibilização de álcool gel e a medição da temperatura corporal na entrada do CNDA, entrega de máscaras para atletas na saída da pista após as provas, com o próprio atleta pegando a sua medalha na premiação, distanciamento entre atletas na câmara de chamada entre outros.



A competição tem transmissão ao vivo pelo youtube da Confederação Brasileira de Atletismo pelo link:



https://www.youtube.com/channel/UCzEJ2yawdNF53PTzLO_RYCg



Mais informações, como programa-horário, participantes e resultados completos, podem ser obtidas no link:



http://cbat.org.br/novo/competicoes/brasileiro_sub18/2020/#



A Caixa é a Patrocinadora Oficial do Atletismo Brasileiro.