MUNDIAL DE CÁLI

Otávio Vicente fica entre os top dez da marcha atlética em Cáli

O catarinense Otávio Vicente foi 9º colocado nos 10.000 m da marcha atlética (Foto: Mónica RF)

O marchador catarinense fez os 10.000 m da prova em 43:47.38 no quinto dia do Campeonato Mundial Sub-20 que termina neste sábado (6/8) após seis dias de disputas com 1.500 atletas de todo o mundo no Estádio Olímpico Pascual Guerrero

Cáli - Otávio Henrique Vicente (Corville-SC), de 18 anos, ficou com a 9ª posição, entre os top ten dos 10.000 m marcha atlética, no quinto dia de competições (5/8) do Campeonato Mundial de Atletismo Sub-20 de Cáli, Colômbia. Na pista do Estádio Olímpico Pascual Guerrero o atleta catarinense, nascido em Joinville, fez 43:47.38.



Mazlum Denir, da Turquia, ficou com a medalha de ouro (42:36.02), Ismail Benhammouda, da Argélia, com a prata (42:42.49) e o também turco Hayrettin Yildiz com o bronze (43:07.95).



Otávio, que tem como recorde pessoal a marca de 43:01.27 (de 9/7/2022, em Jaraguá do Sul-SC), treina com Margit Weise e disse que marchou pensando em melhorar. "Fiquei no pelotão da frente, mas depois dos 7 km me senti cansado, não sei o motivo. Mas tive uma lesão e não fiz as primeiras competições do ano, como a Copa Brasil de Marcha Atlética e o Sul-Americano, mas depois que voltei a treinar consegui índice para vir para o Mundial e ficar entre os top ten", disse Otávio. Heron Rodrigues Miranda (Balneário Camboriú-SC) não completou a prova.



Gabrielly Cristina dos Santos (FECAM/ASSERCAM-PR) ficou na 30ª posição dos 10.000 m marcha atlética feminina, num dia de umidade alta. "Foram 2 km e eu já estava pingando, mas marchar no clima seco é pior. Nos primeiros 5 km ainda estava no ritmo para tentar fazer abaixo dos 50 minutos, mas dei uma quebrada. Foi muito bom, uma oportunidade e tanto ter vindo a um Mundial e estou muito feliz por estar aqui", disse Gabrielly.



Agora, como a maioria dos atletas do Brasil no Mundial, vai disputar o Brasileiro Sub-23, de 16 a 18 de setembro, em Cuiabá, Mato Grosso, pensando numa vaga para o Sul-Americano Sub-23, de 29 de setembro a 1 de outubro, em Cascavel, Paraná. "O campeão do Brasileiro e o melhor do Ranking garantem vaga", acrescentou.



A catarinense Lilian Dumes Bittencourt (Balneário Camboriu-SC) foi 39ª (54:19.10). Também queria buscar o seu recorde pessoal. "Foi uma prova dura, não saiu o tempo que eu queria e estou um pouco triste. Mas é uma honra ter a oportunidade de estar aqui, em um evento tão grande e importante como esse."



Karla Ximena Serrano, do México, conquistou a medalha de ouro (46:24.35), ultrapassando a japonesa Ai Ooyama (46:24.44) nos últimos metros. Ayane Yanai, também do Japão, terminou em terceiro lugar (46:43.07), depois que Olivia Sandery, da Austrália, sofreu punição  (47:37.37).



Giovana Corradi (AD Centro Olímpico-SP), que chegou a semifinal dos 100 m com barreiras, não avançou nesta sexta-feira para o último dia de competições e a final de sua prova. Giovana fez 13.94 (0.4) e ficou em 17º lugar. Mostrou frustração com o resultado. "Errei a corrida. Na verdade, eu me senti bem nervosa no bloco, pensei que estava num Mundial com grandes atletas." O que valeu mesmo para Giovana foi fazer o índice e ter a oportunidade de estar no Mundial para aprender. "É muito bom correr com atletas desse nível, olhar, aprender." Também disputa o Brasileiro Sub-23 de Cuiabá de olho na vaga para o Sul-Americano. "Estou em terceira do ranking, quero ganhar."



Mariana de Oliveira Muller (Corville-SC), de 18 anos, nascida em Joinville, ficou em 15º lugar no salto triplo, com 12,85 m (-0.1). "Se eu tivesse repetido o meu melhor salto, que é 13,14 m eu teria me qualificado", disse Mariana. "Acho que errei na parte técnica do salto, mas esse é o meu primeiro Mundial e gostei bastante da experiência. É incrível o aprendizado."



O revezamento 4x400 m feminino - com Letícia Quingostas, Camille de Oliveira, Tainara Pereira e Amanda Miranda da Silva - foi 14º colocado com 3:44.70. O revezamento 4x400 m masculino teve Jadson Soares de Lima, João Vitor Belo de Sena, Jânio Varjão e Elias Oliveira e ficou em 15º, com 3:11.69.



Mais informações sobre o Mundial: CLIQUE AQUI



A Prevent Senior NewOn é patrocinadora do atletismo brasileiro oferecendo medicina esportiva de precisão e estilo de vida para os que se ligam no esporte e apoio às competições.



As Loterias Caixa são a patrocinadora máster do atletismo brasileiro.